Alguns hábitos que parecem ser inofensivos podem prejudicar (e muito) a saúde íntima

Você nem se dá conta, mas alguns hábitos que parecem ser inofensivos podem prejudicar (e muito) a saúde íntima. Um inocente lencinho umedecido, uma depilação incorreta e um lubrificante mal usado podem ser fontes de doenças vaginais. E esses problemas são bem mais comuns do que você imagina. Um estudo feito com mais de 9 mil mulheres pelo laboratório farmacêutico Organon em 13 países, inclusive o Brasil, revelou que 49% das pesquisadas já tiveram que lidar com algum tipo de enfermidade lá embaixo. E você não quer engordar essa estatística de jeito nenhum, certo? Por isso, selecionamos três preciosos conselhos íntimos para você se divertir demais entre os lençóis sem precisar descuidar do seu bem-estar.

1. Ambiente perfumado

Absorventes, lencinhos umedecidos e desodorantes perfumados para as partes íntimas prometem sensação de frescor e um cheirinho gostoso o dia todo. “No entanto, alguns produtos químicos que mudam o odor da vagina também podem alterar o equilíbrio do pH, estimulando a proliferação de bactérias e leveduras”, diz Mary Jane Minkin, médica e professora de obstetrícia e ginecologia na Universidade Yale, nos Estados Unidos.

Não tenha vergonha do cheiro natural! “Você só deve se incomodar se o odor estiver forte e ruim. Aí, agende uma visita ao ginecologista para afastar a possibilidade de ter alguma doença”, afirma o ginecologista Alfredo Bauer, professor da Pontíficia Universidade Católica, em Sorocaba (SP).

2. Troca de óleo

Lubrificantes são uma ótima maneira de ir às alturas no sexo, mas os feitos à base de óleo podem deixar você bem para baixo. “Os produtos oleosos não saem facilmente, permanecendo na sua vagina por dias”, diz Jennifer Mills, obstetra e ginecologista do hospital Touro Infirmary, nos Estados Unidos. “É um terreno propício para as bactérias.” Além disso, todos os óleos à base de petróleo (inclusive vaselina) prejudicam o látex dos preservativos, abrindo as portas para gravidez e DST, afirma Badiglian.

Já os lubrificantes à base de silicone apresentam riscos menores de infecção, mas não são indicados para qualquer pessoa devido à sua espessura. “Como não são absorvidos facilmente, eles deslizam demais. Um iniciante pode não se adaptar e acabar com um problema físico”, alerta Paula. Também não devem ser usados com brinquedos do mesmo material, pois dissolvem a superfície. “Prefira sempre lubrificantes à base de água. Esses podem ser usados à vontade”, garante Badiglian.

3. Depilação total

Manter a depilação em dia é importante, mas tome alguns cuidados na hora de escolher a melhor forma de levar sua amiga ao cabeleireiro. Para quem tem pele sensível, até os métodos de depilação específicos para a área pubiana podem ser abrasivos. “Ingredientes ásperos como o hidróxido de cálcio – presente em loções removedoras – podem desencadear uma reação alérgica”, alerta Jennifer.

“O método mais seguro é sempre a lâmina”, completa. Se você é daquelas que acreditam que depilar geral é mais higiênico, está enganada. Do ponto de vista médico, isso não favorece a saúde íntima. “Na verdade, os pelos formam uma proteção natural da vagina”, diz Bauer. É claro que você não vai deixar de colocar aquele biquíni pequenininho ou a lingerie sexy que tem data marcada para ser estreada. Estar depilada é um prazer pessoal e pode fazer toda a diferença. Apenas evite abusar de sua pele.

Compartilhe
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
Matérias Relacionadas
Categorias
Mais Buscados
Vídeo da Semana
Membros